ESCOLHA SEU TIME DA WNBA
ESCOLHA SEU TIME DA WNBA
Ago 13, 2020

ESCOLHA SEU TIME DA WNBA

Lucy Horn FOTO: Minessota Linx

Natural se sentir um pouco perdida quando se trata de WNBA, principalmente quando não vemos com frequência mulheres jogando basquete em tv aberta. Mas a principal questão é: para qual time você torce?

 

Já que a temporada 2020 da WNBA (liga norte-americana de basquete feminino) recém começou, resolvemos ajudar as mulheres que estão indecisas para encontrar seu novo time favorito, trazendo um pouco sobre as particularidades de cada equipe para que não haja dúvida:

 

 

SEATTLE STORM

 

O Storm venceu o título da WNBA em 2004, 2010 e 2018. No que diz respeito ao elenco, possivelmente nenhuma outra equipe consiga se equiparar ao Storm, já que suas principais estrelas são Breanna Stewart e Sue Bird. Nada mal, hein?

 

 

ATLANTA DREAM

 

O Atlanta Dream é um time de respeito na WNBA. Em seus 11 anos, chegou nove vezes aos playoffs e disputou três vezes uma final, mas nunca foi campeão. Além disso, tem o fator patriota, visto que duas jogadoras brasileiras já vestiram sua camisa: Iziane Marques e Ericka de Souza.

 

 

CONNECTICUT SUN

 

O Sun nunca foi um time que causou incômodo nos melhores tempos da WNBA, principalmente por ser tecnicamente mediano. Mas, desde a temporada 2019, parece que esse cenário mudou. Acompanhe seus jogos e você poderá se surpreender, assim como todo o resto da liga.

 

 

 

LOS ANGELES SPARKS

 


Torcer para time de história e tradição? O Los Angeles Sparks é a equipe ideal. Tricampeão da liga que já contou com grandes nomes do basquete feminino como Lisa Leslie e Candace Parker, além de ter como técnico o ex-astro do Los Angeles Lakers, Derek Fisher, que assumiu o cargo de treinador em 2018.

 

 

WASHINGTON MYSTICS

 


A franquia da capital norte-americana ficou de 2002 a 2017 sem vencer uma série de playoffs. Em 2018, foi finalista da liga, mas acabou derrotada por 3 a 0 para o Storm.  Em 2019, o Washington Mystics veio com tudo e foi campeão da liga.

 

 

PHOENIX MERCURY

 

Tricampeão da WNBA, o Phoenix é um time respeitado na liga. Tem um elenco jovem e que a médio prazo pode apresentar um excelente desempenho. Se você gosta de acompanhar a evolução de times, Phoenix é uma boa opção.

 

 

LAS VEGAS ACES

 

Las Vegas Aces é novo e está apenas em sua terceira temporada na WNBA. Tem um elenco com muito potencial e com grandes chances de se tornar uma das melhores equipes da WNBA nos próximos anos. 

 

 

DALLAS WINGS

 

Desde 2016, o Wings se classificou duas vezes para os playoffs e foi derrotado para o Washington Mystics e posteriormente para o Phoenix Mercury. Atualmente, a equipe é comandada por Brian Agler, que não conseguiu avançar para o pós-temporada em seu primeiro ano. Os principais destaques são Arike Ogunbowale e a novata Satou Sabally.

 

 

MINNESOTA LYNX

 

De 2011 a 2017, a franquia conquistou quatro títulos, todos com intervalo de um ano (2011, 2013, 2015 e 2017). Isso fez com que o time se tornasse o maior vencedor da história da WNBA ao lado do extinto Houston Comets. Minnesota tem no time a brasileira Damiris Dantas, que joga como pivô.

 

 

CHICAGO SKY

 

Com um elenco super jovem, a franquia tem um jogo ‘divertido’ e que sempre dá trabalho para seus oponentes. É a única franquia da WNBA que tem mulheres como proprietárias. Margaret Stender e Michelle Williams dividem a "posse" da equipe junto de Michael Alter e Mathew Knowles.

 

 

NEW YORK LIBERTY

 

A franquia é irmã do New York Knicks da NBA e divide o Madison Square Garden em tempos de jogos. Apesar de já ter chegado 4 vezes às finais da WNBA sem a conquista de um título, a maior esquipe da cidade dos estados Unidos permanece perseguindo seu caminho de sucesso e conta com um novo reforço, a novata Sabrina Ionescu que acaba de se lesionar.

 

 

 

INDIANA FEVER

 


Em 2017, teve segunda pior campanha da liga e assim continuou nos anos que viriam.

 

Historicamente, Indiana é uma franquia muito forte na WNBA, onde em 13 dos seus 17 anos de existência chegou aos playoffs.  Durante o período de 2001 (draft de Tamika Catchings) a 2016 (aposentadoria da mesma), o Fever foi uma potência na liga norte-americana. Catchings foi uma das melhores jogadoras a passar pela WNBA. 

 

 

Devido à pandemia do coronavírus, a temporada acabou sofrendo mudanças, e da mesma forma que a NBA, as atletas da WNBA permanecem isoladas em uma bolha.

 

Cada uma das 12 equipes vai disputar 22 jogos na temporada regular onde normalmente acontece em 34 partidas - até o dia 12 de setembro.  Em seguida serão disputados os playoffs até definir o campeão.

 

Todos os jogos serão na IMG Academy, em Bradenton, na Flórida, local escolhido pela WNBA para o isolamento das jogadoras. A "bolha" serve também para treinos e hospedagem.

 

Com todas essas informações fica até difícil arranjar uma desculpa pra não acompanhar a liga. E aí pra quem vai sua torcida?