ENTENDA O VALOR DAS FRANQUIAS DA NBA
ENTENDA O VALOR DAS FRANQUIAS DA NBA
Set 09, 2020

ENTENDA O VALOR DAS FRANQUIAS DA NBA

Leonardo Risso FOTO: Epicsunwarrior, Lachlan Cunningham, Reid Kelley, Jesse D. Garrabrant

Valuation é um termo bem conhecido no mercado financeiro, mas sabia que esse processo de estimar o valor de uma empresa em um determinado período também é usado nas franquias da NBA? Claro que a metodologia de análise é um pouco diferente para equipes esportivas devido a uma série de fatores. A Forbes se comprometeu, com apoio da Galatioto Sports Partners, a lançar todo ano um valuation das equipes mais valiosas do mundo, passando pelas principais ligas americanas e equipes do futebol europeu.


Dentro na NBA este estudo já está no seu 22º ano e é dividido em 4 categorias que formam o valor final das franquias: Mercado, Resultado Esportivo, Arena e Marca. Permitindo, por exemplo, que compradores interessados possam se basear nesse histórico e análise de valores.


Isso não determina necessariamente o preço final de uma franquia, tendo em vista que o Clippers foi vendido por 2 bilhões de dólares em 2014 para Steve Ballmer, um valor dito como alto se não considerado o potencial de crescimento em um mercado como o de Los Angeles. Segundo a Forbes, a franquia já vale U$2,2 bilhões hoje, justificando o investimento. Outra franquia vendida naquele mesmo ano foi o Milwaukee Bucks por U$550 milhões, um valor próximo do valuation realizado pela Forbes na época. Hoje, já é avaliada em U$1,58 bilhão por uma série de fatores como valorização de marca, melhora nos resultados esportivos e nova arena explicados por uma matéria realizada pelo STREETOPIA.


Esse estudo também permite que a torcida, empresas interessadas e investidores analisem melhor essa indústria e a NBA vem se destacando muito das outras ligas com valor médio de franquia acima de U$2 bilhões e valor mínimo acima de U$1 bilhão, ou seja, se você quiser comprar uma franquia, é bom ter bastante dinheiro guardado.




Mas como o New York Knicks, que não se classifica aos playoffs desde 2013, ainda é considerada a franquia mais valiosa da NBA? Esse fato surpreende muitas pessoas, porque os resultados em quadra ainda demonstram muito da percepção das equipes como marcas, mas é importante entender melhor do que se trata cada uma das categorias consideradas pela Forbes nesse valuation anual:


MERCADO


Dentro da Liga, há uma categorização de franquias localizadas em small e big markets que, inclusive, é o que motiva as práticas de equilíbrio competitivo. Os 2 maiores mercados são Los Angeles e Nova Iorque, pra ter noção do tamanho deles, cada um possui 2 equipes justificadas pelo tamanho da população, índices econômicos regionais e até turismo.


Concorda que uma cidade com mais de 20 milhões de habitantes como Nova Iorque tem muito mais potenciais consumidores do que Portland com 2 milhões? Isso reflete em uma série de fatores como contratos televisivos regionais, lucros com merchandising, patrocínios, entre outros.




RESULTADO ESPORTIVO


Esta é a categoria mais ímpar e que as franquias mais buscam, quando se trata de esportes, não adianta só ter grandes receitas financeiras, tudo está baseado no resultado dentro de quadra, afinal, ninguém gosta de apoiar uma equipe perdedora. Quando uma equipe não é competitiva, menos fãs vão ao estádio, assistem menos jogos na televisão, compram menos produtos da equipe e, por consequência, menos patrocinadores vão se envolver com aquela franquia.


Um exemplo claro disso é o Toronto Raptors que após ser campeão da NBA no ano passado viu seu valor aumentar em 25% e o próprio Golden State Warriors que cresceu muito devido aos últimos anos de ouro da franquia.



ARENA


As arenas são um dos principais ativos das equipes não só pelo valor próprio como imóvel, mas pela soma de toda receita gerada seja por meio de outros eventos além do basquete seja por outros fatores como venda de ingressos e exposição de marcas patrocinadoras. Nesse quesito, o New York Knicks se dá muito bem, o Madison Square Garden é palco de diversos show em uma das cidades mais badaladas dos Estados Unidos, tem uma boa capacidade e frequência de público que paga em média 140 dólares para assistir um jogo, além contratos de parcerias com empresas patrocinadoras.



MARCA


É muito difícil conhecer sobre basquete sem escutar sobre Michael Jordan e é mais difícil ainda conhecê-lo sem ouvir falar no Chicago Bulls. A construção dessas marcas históricas assim como Boston Celtics e Los Angeles Lakers é feita por meio de muito esforço passado com dinastias vitoriosas que contribuem na formação de fãs e internacionalização de marca. O Houston Rockets, por exemplo, tem uma marca muito forte no mercado consumidor chinês por toda construção história em conjunto ao ídolo nacional, Yao Ming. Esse fato faz com que o valor de compra de uma franquia seja elevado não só pela histórica, mas por todo potencial de lucro que isso pode gerar.


Erra quem pensa que os donos das equipes da NBA são só bilionários apaixonados por basquete, apesar de toda emoção envolvida, o jogo é um negócio e os números não mentem, o valor médio de uma franquia em 2010 era, segundo o portal Statista, de U$369 milhões, enquanto agora, o valor médio passa de U$2 bilhões. Bom pra Mark Cuban, Steve Ballmer, Joseph Tsai e companhia.