PERFIL STTP - Lays Silva #001
PERFIL STTP - Lays Silva #001
Oct 08, 2020

PERFIL STTP - Lays Silva #001

Victor Santo FOTO: Julio Nery

 

 

Atual ala/armadora da Seleção Brasileira de basquete e do Santo André/APABA, Lays da Silva, iniciou sua carreira na escola que estudava quando criança e muito por acaso – Seu professor de educação física na época, passou de sala em sala convidando os alunos para a aula da modalidade, e apesar de nenhuma experiencia, sua paixão desde sempre pelo esporte revelou intimidade e chamou atenção de todos por sua agilidade nos movimentos. Ao final da aula, Lala recebeu um convite para que continuasse frequentando, e não só aceitou, como passou a participar das aulas com frequência, onde acabou se apaixonando.

 

Algum tempo depois, Lays seria aprovada em seu primeiro teste pelo ‘Jacareí Basketball’, seus primeiros passos em direção à Federação Paulista de Basquete. Em seguida, já na equipe do São Bernardo/Brazolin/UNIP, Lala desempenha um excelente trabalho e recebe convite para sua primeira experiência na Seleção Brasileira.

 

 

Em entrevista para o STREETOPIA, a atleta reconhece a contribuição da categoria de base para o seu crescimento e sua importância para o desenvolvimento do esporte, mas lamenta a ausência atualmente: 

 


De qualquer forma e apesar dessas limitações, a atleta não deixa de acreditar na melhora desse cenário contanto que haja interesse e investimento.


Perseverança, paciência e foco são elementos muito presentes em sua trajetória, e muito provavelmente, aprendeu a praticá-los através da sabedoria e dos ensinamentos de sua avó, que além de sempre ter dado apoio, incentivo e ser uma das pessoas que acreditaram em seu potencial, é sua maior inspiração e motivação. Lala não tem propriamente a figura de um ídolo, mas reconhece que buscou referencias na forma de jogar de Kobe Bryant e Kyrie Irving, e principalmente em exemplos do basquete feminino, como Damires Dantas, a armadora Clarissa dos Santos, Adrianinha e Magic Paula, ambas com passagem pela Seleção Brasileira.

 

 

Lays e sua avó, Marlene Rangel, na premiação de Melhor Atleta SUB-19 da Federação Paulista de Basquete, em 2018.


 

A evolução do basquete feminino no Brasil está relacionada com a solução de questões pontuais, como garantir por exemplo, direitos, respeito e a mesma visibilidade que o basquete masculino tem. Apesar de a categoria ter chegado ao Pan Americano, Copa América e em função disso ter nossas atletas reconhecidas por ligas de outros países, é um bom começo, mas ainda há muito trabalho a ser feito.

 

Lays projeta nos próximos anos a melhora da categoria no país e como agradecimento por tudo que o esporte lhe proporcionou, vai lutar para que o nosso basquete esteja entre os melhores do mundo.